Home / COLUNAS

COLUNAS

DIÁLOGO DE NATAL

Carlos Drummond nunca gostou de Academias, mas agora vive na eterna happy-hour da Sociedade dos Poetas Mortos, onde eu, como sócio-leitor, o encontro sempre. E, como aprendiz de feiticeiro, busco a sabedoria tão bela desse mago. Para puxar conversa, lembro um verso de outro bruxo, o de Cosme Velho: “Mudaria ...

Leia Mais »

ESPECULANDO COM ESPELHOS

Uma ex-aluna, que encontro por acaso, recorda a maneira como eu a advertia contra sua compulsão de olhar-se no espelho, durante as aulas: através do mito de Narciso, o jovem grego de extraordinária beleza que, tendo recusado o amor das ninfas (deusas dos rios e dos campos), foi condenado a ...

Leia Mais »

OUTRAS INQUISIÇÕES

            A palavra latina para janela é fenestra. Daí vem o verbo defenestrar, que significa “lançar alguém violentamente pela janela”. A defenestração foi uma forma recorrente de assassinato político na cidade de Praga, capital da atual República Tcheca. As primeiras defenestrações aconteceram na Idade Média, na disputa pelo poder entre ...

Leia Mais »

PIT STOP DA VISITAÇÃO

            Convido você a visitar comigo um grande homem do passado. Ele foi visto pela última vez no dia 12 de julho de 1536, na cidade de Roterdam, na Holanda. Erasmo de Roterdam foi um grande homem, mas não exerceu nenhum cargo de poder: não foi um rei nem um ...

Leia Mais »

NARRATIVAS EXEMPLARES

A palavra inglesa “crucible” tanto significa caldeirão quanto julgamento. O caldeirão pode ser o dos alquimistas ou o das bruxas. Tanto os alquimistas quanto as bruxas já estavam condenados ao fogo, antes mesmo do fim de suas inquisições: o fogo punitivo, se negassem as culpas que lhes eram imputadas; o ...

Leia Mais »

PARA FAZER O RETRATO DE UM PÁSSARO

Compartilho com todos, hoje, minha versão do famoso “Pour faire le portrait d´un oiseau” do grande Jacques Prévert:   Desenhe primeiro uma gaiola Com a porta aberta. Pinte depois Algo de belo Algo de simples Algo de bom Para o pássaro. Pendure então a tela em uma árvore Num bosque ...

Leia Mais »

CATAR FEIJÃO NA MÁQUINA DO TEMPO

Esqueci onde tinha estacionado o carro e um amigo me zoou: “Isso é problema de DNA”. Então lembrei a ele que, hoje, todo mundo com mais de dezesseis anos está na vala comum da data de nascimento antiga: todos nascemos no século passado. Meu amigo, que tinha lido o Umberto ...

Leia Mais »

A BALA, O BISCOITO E A FLOR DE LÓTUS

Eu me lembro de um tempo em que as formas, as cores e os sabores dos produtos não estavam desvanecidos na entropia promovida pela sociedade de consumo. Dentro desse tempo, minha memória recorta um momento particular em que pedi a minha mãe uma bala; enquanto ela pegava essa bala, numa ...

Leia Mais »

A IDADE DA TERRA

            Naquele tempo a Terra começaria a receber visitações. Para alguns, os Visitantes eram criaturas sobrenaturais, Anjos e Demônios; para outros, tratava-se de alienígenas extraterrestres. Fosse o que fosse, o Visitante nunca se apresentava na forma de um ente, mas se manifestava como um fenômeno: anunciado por um estrondo formidável, ...

Leia Mais »

EVA E AS UVAS

Vendo o rubro e rútilo cacho de uvas lá no alto, ela chegou à conclusão de que seu nome deveria ser Eva, porque nas velhas cartilhas estava escrito que Eva viu a uva.  Também concluiu que era uma raposa, pois ela se pega num fingido desdém pelas uvas, fora do ...

Leia Mais »

Publicidade