Home / COLUNAS / Afonso Guerra-Baião / PAI, O QUE É UM FASCISTA?

PAI, O QUE É UM FASCISTA?

A garota tinha lido o conto de Artur Azevedo, em que um pai finge não ouvir o filho que lhe pergunta o que é um plebiscito – finge, despista, tergiversa, até conseguir consultar um dicionário e voltar triunfante com a resposta, posando de verdadeiro sabe-tudo. A nossa menina, então, resolve testar o próprio pai, também muito senhor das velhas opiniões formadas sobre tudo.

– Pai, o que é um fascista?

O pai tinha a resposta na ponta da língua e nem precisou consultar o Google no celular:

– Fascista, minha filha, é um tipo de comunista.

– Mas pai, comunista não é de esquerda?

– É, e daí?

– Daí que os fascistas são grupos de direita. De extrema direita.

– De onde você tirou isso?

– A professora de história falou e eu conferi em livros da biblioteca.

– Essa professora deve ser uma esquerdopata que nem sabe distinguir a mão direita da esquerda. Preciso conferir o que você anda lendo!

– Por que o senhor não confere agora? Olhe aí numa enciclopédia virtual.

– Na internet tá tudo dominado, minha filha, você não sabe disso?

– Dominado por quem, pai?

– Ora, pelos nazistas!

– Então eles estão no poder? Ainda existe partido nazista?

– Existe partido comunista, é a mesma coisa!

– Mas a professora e os livros de história dizem que os comunistas invadiram Berlim e derrotaram os nazistas.

– Foram os americanos!

– Os russos e os americanos.

– Mentira dessa professora esquerdista e seus livros subversivos.

A garota suspira.

-Pai, o que o senhor acha de Carlos Drummond de Andrade?

– Acho que ele foi um poeta.

Despistadamente, ele confere no celular:

– Acho, não: eu sei que ele foi um poeta.

– O senhor já leu o poema COM O RUSSO EM BERLIM, que ele escreveu para saudar a derrota do nazi-fascismo, no fim da guerra mundial?

– Olha, minha filha, se eu pudesse eu mandava matar os artistas vagabundos, que vivem enchendo de ideias marxistas as cabeças de mocinhas inocentes como você!

– Calma, pai! O senhor tá precisando ler poesia…

– Eu tenho lá tempo pra ler poesia, minha filha? Eu tenho mais o que fazer, preciso ganhar dinheiro pra pagar sua escola e sustentar os luxos daquela… de sua mãe.

– Daquela o quê?

– Escuta, minha filha, você sabe muito bem que sua mãe anda procedendo como uma vadia! Desrespeitando os valores da família!

– Minha mãe é uma mulher livre, divorciada, não tem que lhe dar satisfação.

– Livre às custas do meu dinheiro, você quer dizer…

– Ela trabalha e eu moro com ela, tá esquecendo? Quem paga…

– Esqueci uma coisa: vocês mulheres são todas iguais. E você está me saindo uma perfeita comunista!

A menina se levanta, encerrando o encontro mensal na lanchonete:

– Obrigada, pai!

– Pelo lanche? Ora…

– Não. Por ter me ensinado a reconhecer um fascista!

(Afonso Guerra-Baião)
É professor e escritor. Escreve poemas, contos e crônicas, além de estar às voltas com a construção de um romance. Traduz poemas do francês e do inglês. Colabora em jornais e blogs. Mora em Curvelo-MG e é torcedor do Galo.

Veja Também

KAFKA, A MENINA E A BONECA

            Meu avô costumava dizer que os piores sonhos são os bons, pois a gente ...

Publicidade